Pan-Hispanic Ballad Project

Total: 39


0457:2 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 5816)

Versión de Viçosa (Alagoas, Brasil).   Recitada por Mestre Benedito. Recogida antes de 1965 (fecha deducida) (Colec.: Vilela). Publicada en Vilela 1983, nº 10.1, pp. 73-74.  038 hemist.  Música no registrada.

     Lá vem a Nau Catarineta    que tem muito que contar;
  2   sete anos e um dia    andou nas águas do mar.
     Botemos a sola de molho    para domingo almoçar,
  4   esta sola era tão dura    que ninguém pôde tragar.
     --Sobe acima, meu gajeiro,    meu gajeirinho real,
  6   para ver se avista terra    onde nós possa encalhar.
     --Aviso, meu Almirante,    aviso eu venho dar.
  8   Avistei terra em França,    areias em Portugal.
     E avistei três mocinhas    debaixo de um parreiral.
  10   Uma cose e outra fia    e outra limpa o metal.
     --Desce meu gajeiro,    meu gajeirinho real;
  12   estas três moças que vistes    é filha do General.
     A mais bonitinha delas    é pra consigo casar.
  14   --Eu não quero tuas filhas,    que não quero me casar;
     só quero a Nau Catarineta    para nela navegar.
  16   --Desce, desce, meu gajeiro;    meu gajeirinho real;
     dou-te o prédio mais bonito    que existe em Portugal.
  18   --Não quero prédio bonito,    que não preciso morar.
     Só quero a alma do Patrão    pra dela eu me apoderar.--

Nota : El informante, Mestre Benedito, es de la "Chegança de Viçosa".
Título original: Nau Catarineta.

Go Back
0457:35 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 8566)

Versión de Cataluña s. l. (España).   Documentada en o antes de 1882. Publicada en Milá y Fontanals 1882, nº 215A, p. 176.  034 hemist.  Música no registrada.

     Set bastiments partiren de Marsella    per aná á la ciutat d` Oran,
  2   set anys han anat en borrasca    els manteniments van faltant.
     El patró de la galera    pallas curtas n` hi va tirant,
  4   tot tirant n` hi las pallas curtas    la mes curta li `n pertocá.
     --¿Qui será `l gallardo mosso    que la vida m` en salvará?
  6   Li `n daré una de mas fillas    y un bastiment sobredaurat.
     --Yo seré lo gallardo mosso    que la vida li vull salvá.
  8   --Qui `m vulga salvá la vida    cubert amunt ha de pujá.--
     Quant es al mitx de l` arbre mestre    [el] gallardo `s posa á plorá:
  10   --Yo no veig sino sol y aygua    y las onas de la mar.
     --Puja, puja, gallardo mosso,    molt mes amunt has de pujá.--
  12   Quant es al cim del arbre mestre    el gallardo`s posa a cantá:
     --Veig els turons de Marsella    y las montanyas blanquejá
  14   y també una capelleta    tota vestideta del mar.
     Si podem eixí d` aquesta    l` anirem á visitá,
  16   li farem un Sant retaule    y un altá sobredaurat.
     Quant los marinás hi passarían    l` anirían á visitá.--

Nota: -8 Adición de B; -9a Q. foren á mitja cuberta Corrección de B; --11a Munta, munta á la cuberta Corrección de B; -12a Puja al capdemunt de la cuberta Corrección de B; -12b y g. s. p. á c.
Título original: El grumete.

Go Back
0457:36 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 8567)

Versión de Cataluña s. l. (España).   Documentada en o antes de 1882. Publicada en Milá y Fontanals 1882, nº 215B, p. 177.  032 hemist.  Música no registrada.

     Set bastiments partiren de Marsella    per aná á la ciutat d` Oran,
  2   set anys tirats á borrasca    sense podé desembarcá.
     Ya `n tiran de las payas curtas    . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
  4   --¿Qui será `l gallardo mosso    que la vida m` en salvará?
     Y al qui `m voldrá salvá la vida    dos ó tres dons li vuy doná:
  6   li `n daré una de mas fillas    y un bastiment sobredaura.
     per anar á vora Marsella    y fer un vol per la ciutat.--
  8   Quant es al mitx de l` arbre mestre    el galán se posa á plorá.
     --Yo no veig sino sol y aygua    y las onas de la mar.--
  10   Quant es al cim del arbre mestre    el gallardo `s posa a cantá.
     --Ara si que veig á Marsella    allí hont hem d` aná á pará,
  12   que si Deu en feya la gracia    que poguem desembarcá;
     gorniríam una capella    y un santuari hem de posá.
  14   Sigui `l patró del nostro barco    que `ns ha vingut ampará.
     Y ara es l` hora, á Deu gracias,    que podem desembarcá,
  16   qu` ab salut y alegría    á nostras casas podem torná.--

Nota: -14a Milà transcribe "Sigui (?)".

Go Back
0457:37 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 8568)

Versión de Cataluña s. l. (España).   Documentada en o antes de 1882. Publicada en Milá y Fontanals 1882, nº 215C, p. 177.  028 hemist.  Música no registrada.

     El patró de la galera    pallas curtas n` hi va tirant,
  2   tot tirant n` hi las pallas curtas    la mes curta li `n pertocá.
    
(Viva Tolón, viva Marsella    viva l` estret de Gibraltá)
     --¿Qui será `l gallardo mosso    que la vida m` en salvará?
  4   Li `n daré una de mas fillas    y un bastiment sobredaurat.--
     . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
     --Si tu `m vols salvá la vida    creuet` amunt has de pujá.--
  6   Quant fou á mitja creueta    el galán se posa á plorá.
     --Que ploras, gallardo mosso?    que no veus res per mos salvá?
  8   --Yo no veig sino sol y aygua    y las onas de la mar.
     --Si tu me salvas la vida    creut` amunt has de pujá.--
  10   Com fou al cim de la creueta    el galán se posa á cantá:
     --Yo veig el pont de Marsella    y l` estret de Gibraltá.
  12   Si Deu mos feya la gracia    que á casa poguessim torná
     faría fé una capelleta    á la voreta del mar;
  14   devoció del Sant Rosari    yo li faría posá.--

Nota: -11a Milà transcribe port (port?).

Go Back
0457:38 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 8569)

Versión de Cataluña s. l. (España).   Documentada en o antes de 1882. Publicada en Milá y Fontanals 1882, nº 215F, pp. 177-178.  042 hemist.  Música no registrada.

     Set maridas ja navegavan,    navegavan pe-la mar,
  2   quant ne foren á la mar alta    els manteniments van faltant.
     La-un s` en abrassava am l` altre:    --Ara si que ens hem de negá.--
  4   Ya tiraren á pallas curtas    á n-el que podría tocá.
     Al capitá de la galiona    la mes curta li va tocá.
  6   --¿Qui será `l gallardo mosso    que la vida m` en salvará?
     Li `n daré una de mas fillas    y un bastiment sobredaurat.
  8   --Yo seré un gallardo mosso    yo seré si be li está.
     --Ves` hi, ves` hi, gallardo mosso,    á dalt del arbre ets de pujá;
  10   qui `m vulga salvá la vida    cubert amunt ha de pujá.--
     Quant es al mitx de l` arbre mestre    [el] gallardo `s posa á plorá:
  12   --Que tenes, gallardo moss,    que així `t posis á plorá?
     --Yo no veig sino sol y aygua    y las onas de la mar.
  14   --Que tenes, gallardo mosso,    que aixís te posas á cantá?
     --Yo ja veig castells y vilas    y murallas á blanquejá,
  16   y també veig la seva senyora    que s` esta al balcó á brodá.
     --Baixa, baixa, gallardo mosso,    que la vida m` en ets salvat.
  18   Tres fillas ne tinch á casa    triarás la que voirás,
     y el baixellet tens dins l` aigua    el baixellet per navegí.
  20   --Guardi, guardi las sevas fillas    que lo meu cor ja n` está dat.
     Sols el baixell qu` está dins l` aygua    es el que vull per navegá.--

Notas de Milá: -1a léase taridas; -4b galiona (léase galiota).

Go Back
0457:39 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 8570)

Versión de Cataluña s. l. (España).   Documentada en o antes de 1882. Publicada en Milá y Fontanals 1882, nº 216A, p. 178.  014 hemist.  Música no registrada.

     El capo de la setena    yo [la] vulguera contá.
  2   Set anys so `nat en galera    sens may terra paltrigá:
     al capo de la setena    el socorro va mancá,
  4   que `ls soldats tots á la una    volen matá `l capitá.
     --Arrera, arrera, gent d` armas,    doneume temps per confessá!--
  6   Dementre que confessavan    tres coloms varen passá
     qu` á n-el bech portan el beure    y á las alas el menjá.

Notas de Milá: -1a capo (!); -2a S. a. s. `a amb ella; -3b e. s. v. arrivá Suprimo lo transcrito en 1 del núm. 215. V. también G. del mismo y ademas núm. 41.
Título original: El socorro.

Go Back
0457:1 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 2859)

Versión de Portugal s. l. (Portugal).   Documentada en o antes de 1913. Publicada en Thomás 1913, Velhas Canções, pp. 43-46. Reeditada en Costa Fontes 1997b, Índice Temático (© HSA: HSMS), p. 323, X1.  070 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar:
  2   escutai, se quereis ouvir    uma história de pasmar.
     Muito tempo era passado    que iam na volta do mar;
  4   já não tinham que comer,    já não tinham que manjar.
     Deitaram sola de molho    para o outro dia jantar,
  6   mas a sola era tão dura    que a não podiam rilhar.
     Deitam sortes à ventura,    quem haviam de matar,
  8   mas a sorte foi cair    no capitão-general.
     --Sobe, sobe, marujinho,    àquele mastro real;
  10   vê se vês terras d` Espanha    ou praias de Portugal.
     --Não vejo terras d` Espanha    nem praias de Portugal;
  12   vejo sete espadas nuas    que estão para te matar.
     --Arriba, arriba, gajeiro,    alcança o tope real;
  14   vê lá se enxergas Espanha,    areias de Portugal.
     --Dá-me alvíçaras, capitão,    meu capitão-general;
  16   já vejo terras d` Espanha    e as praias de Portugal.
     Também vejo três meninas    debaixo dum laranjal:
  18   uma sentada a coser,    outra na roca a fiar,
     e a mais linda delas todas    está no meio a chorar.
  20   --Todas três são minhas filhas,    quem nas pudera abraçar!
     A mais linda delas todas    há-de contigo casar.
  22   --Eu não quero a vossa filha,    que vos custou a criar.
     --Dou-te então tanto dinheiro    que o não possas contar.
  24   --Não quero o vosso dinheiro,    que vos custou a ganhar.
     --Dou-te o meu cavalo branco    sempre pronto a galopar.
  26   --Guardai o vosso cavalo,    que vos custou a ensinar.
     --Quer`s tu a nau Catrineta    para nela navegar?
  28   --Não quero a nau Catrineta    porque a não sei governar.
     --Que queres então, meu gajeiro,    que alviç`ras te hei-de dar?
  30   --Quero só a tua alma    para comigo a levar.
     --Renego de ti, demónio,    que me estavas a tentar;
  32   a minh` alma é só de Deus,    o meu corpo é para o mar.--
     Pegou-lhe um anjo nos braços,    não no deixou afogar;
  34   deu um estoiro o demónio    e sossegou logo o mar,
     e à noite a nau Catrineta    estava em terra a varar.

Título original: NAU CATRINETA (Á)

Go Back
0457:7 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7760)

Versión de Minho s. l. (Portugal).   Recitada por Brígida. Recogida 00/00/1881 Publicada en Amorim 1881, 63. Reeditada en RGP III 1909, (reed. facs. Braga 1985) 316-317; Lima 1954, 133 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1658, pp. 375-376. © Fundação Calouste Gulbenkian.  010 hemist.  Música registrada.

     Sete anos e um dia    sem se poder navegar;
  2   já não tinham que beber,    já não tinham que manjar,
     só há solas de sapatos    e mais barro d` alguidar.
  4   Deitaram sola de molho    para domingo jantar,
     mas a sola era tão dura    que a não podiam rilhar.

Nota del editor de RºPortTOM 2000: Provavelmente recitada por Brígida, criada de Almeida Garrett.

Go Back
0457:23 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7776)

Versión de Rosais (c. Velas, isla de S. Jorge, Portugal).   Recitada por Maria Vitorina Soares. Recogida por Maria Inácia da Silveira, publicada en Braga 1869, (y Braga 1982), 287-289. Reeditada en Hardung 1887, I. 30-32; Soares de Sousa 1902, 350-352; RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 20-22; Lima 1954, 148-150; Redol 1964, 233-234; Cortes-Rodrigues 1987, 69-70; Carinhas 1995, II. 86 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1674, p. 391. © Fundação Calouste Gulbenkian.  064 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar.
  2   Há sete anos e um dia    sobre as águas do mar,
     já não tinham que comer,    já não tinham que manjar,
  4   botaram sola de molho    para ao domingo jantar;
     a sola era mui` dura,    não a puderam rilhar.
  6   Botam sortes à ventura,    a qual haviam matar,
     a sorte caiu em preto    ao capitão-general.
  8   --Assobe acima, gajeiro,    àquele tope real;
     vê se vês terras de Espanha,    areias de Portugal.
  10   --Não vejo terras de Espanha,    areias de Portugal,
     vejo três espadas nuas    p`ra cabeça te cortar.--
  12   Pensando que era verdade,    as sortes botou ao mar;
     tanta cutilada deram,    sem nenhuma lhe acertar.
  14   --Assobe acima, Chiquito,    àquele tope real;
     se não puderes assubir,    pois Deus te há-de ajudar.--
  16   Palavras não eram ditas,    Chiquito caiu ao mar;
     eram botes e escaleres    sem o poder agarrar.
  18   --Assobe acima, gajeiro,    acima, à gávea real;
     vê se vês terras de Espanha,    areias de Portugal.
  20   --Alvíssaras, senhor, alvíssaras,    meu capitão-general;
     já vejo terras de Espanha,    areias de Portugal;
  22   também vejo três meninas,    debaixo de um laranjal:
     uma está lavrando ouro,    outra fio de cristal,
  24   a mais mocinha de todas    anda buscando o dedal.
     --Essas são as minhas filhas,    todas três t` eu quero dar:
  26   uma para te vestir,    outra para te calçar,
     a mais bonitinha delas    para contigo casar.
  28   --Não quero as tuas filhas,    Deus vo-las deixe criar,
     o que te quero pedir,    se vós me quiseres dar,
  30   é a nau Catrineta    para nela navegar.
     --Essa nau já não é minha,    é do rei de Portugal,
  32   ele, assim que lá chegar,    ele a mandará queimar.--

Nota del editor de RºPortTOM 2000: Provavelmente recitada por Maria Vitorina Soares.

Go Back
0457:24 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7777)

Versión de S. Jorge s. l. (isla de S. Jorge, Portugal).   Documentada en o antes de 1869. Publicada en Braga 1869, (y Braga 1982), 285-287. Reeditada en Soares de Sousa 1902, 347-349; RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 18-20; Lima 1954, 146-148; Redol 1964, 234-235; Cortes-Rodrigues 1987, 58-59; Carinhas 1995, II. 85 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1675, pp. 392-393. © Fundação Calouste Gulbenkian.  068 hemist.  Música registrada.

     Há sete anos e um dia    que andam na volta do mar,
  2   já não tinham que comer,    já não tinham que manjar;
     botaram sola de molho,    para a poderem rilhar;
  4   a sola era mui` dura,    não a puderam tragar.
     Botam sortes ao acaso,    a qual haviam matar,
  6   caiu, por infelicidade,    no tenente general.
     --Arriba, periquito, arriba,    àquele tope real,
  8   olha se vês minhas terras,    areias de Portugal.
     --Eu não vejo vossas terras,    areias de Portugal,
  10   vejo três espadas nuas    p`ra convosco guerrear.
     --Também aqui tenho uma,    ela me defenderá.
  12   Arriba, periquito, arriba,    àquele tope real,
     olha se vês minhas terras,    que Deus te há-de ajudar.
  14   --Alvíssaras, senhor, alvíssaras,    meu tenente-general,
     já vejo terras de Espanha,    areias de Portugal;
  16   também vejo três meninas,    debaixo de um laranjal:
     uma doba fio de ouro,    outra fio de cristal,
  18   a mais pequenina delas,    essa perdeu o dedal
     e vejo cinco mulheres    numa ribeira a lavar
  20   e vejo cinco marchantes    no açougue a cortar carne,
     também vejo seis padeiras    num forno a padejar.
  22   --Essas são as minhas filhas,    todas três te eu hei-de dar:
     uma para te vestir,    outra para te calçar,
  24   a mais excelente delas,    para contigo casar.
     --Não quero as tuas filhas,    te custaram a criar.
  26   --Hei-te dar cavalo branco,    que é para tu passeares.
     --Não quero o teu cavalo,    que é para tu passeares.
  28   --Hei-te dar tanto dinheiro,    não há-de ter fim a contar.
     --Não quero o teu dinheiro,    que te custou a ganhar,
  30   quero a nau Catrineta    para nela navegar.--
     Ainda a troco dessa nau,    `inda há muito que contar,
  32   que sete anos e um dia    andou na volta do mar.
     --Essa nau já não é minha,    é do rei de Portugal,
  34   que ela, assim que lá chegar,    ele a mandará queimar.--

Variantes de Braga RGP I 1906 (reed. facs. 1982): -12b àquela [sic]; os versos -16 a -18 são fixados entre -21 e -22; -34a chegarmos.

Go Back
0457:25 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7778)

Versión de S. Jorge s. l. (isla de S. Jorge, Portugal).   Documentada en o antes de 1869. Publicada en Braga 1869, (y Braga 1982), 290-292. Reeditada en Soares de Sousa 1902, 353-356; RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 22-25; Lima 1954, 150-152; Redol 1964, 234; Cortes-Rodrigues 1987, 66-68;Carinhas 1995, II. 86-87 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1676, pp. 393-394. © Fundação Calouste Gulbenkian.  078 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Caterineta    que traz muito que contar.
  2   Há sete anos e um dia    sem nunca terra encontrar,
     já não tinham que comer,    nem mais pouco que manjar.
  4   Botaram sola de molho    p`ra no domingo jantar;
     a sola era mui` dura,    não a puderam rilhar.
  6   Entraram a botar sortes,    a qual haviam matar,
     todas as sortes caíram    no capitão-general.
  8   --Acima, gajeiro, acima,    àquele tope real,
     vê se vês partes de França,    ou reinos de Portugal.
  10   --Não vejo partes de França,    nem reinos de Portugal,
     vejo três espadas nuas    que vêm para vos matar.
  12   --Também aqui tenho uma,    ela me defenderá.--
     Tornaram a botar sortes,    a qual haviam matar,
  14   todas as sortes caíram    no capitão-general.
     --Acima, gajeiro, acima,    torna-te bem a afirmar,
  16   vê se vês partes de França,    ou reinos de Portugal.
     --O que vejo são três lanças    para te espostejar.--
  18   Tornaram a botar sortes,    a qual haviam matar,
     todas as sortes caíram    no capitão-general.
  20   --Acima, gajeiro, acima,    que Deus te há-de ajudar,
     vê se vês partes de França,    ou reinos de Portugal.
  22   --Alvíssaras, senhor, alvíssaras,    meu capitão-general,
     já vejo terras de Espanha,    areias de Portugal;
  24   ribeirinhas a correr,    lavadeiras a lavar,
     bem vejo fornos a arder,    padeiras a padejar;
  26   também vejo três meninas    debaixo de um laranjal,
     uma fiando fio de ouro,    outra, fio de cristal,
  28   a mais bonita de todas,    anda buscando um dedal.
     --Essas são as minhas filhas,    todas três t` eu quero dar:
  30   uma para te vestir,    outra para te calçar,
     a mais bonita de todas    para contigo casar.
  32   --Não lhe quero as suas filhas,    lhe custaram a criar.
     --Também te hei-de dar dinheiro    que o não saibas contar.
  34   --Não lhe quero o seu dinheiro,    pois lhe custou a ganhar.
     --Também te hei-de dar cavalo    para em terra passear.
  36   --Não lhe quero o seu cavalo,    pois lhe custou a domar,
     quero a nau Caterineta    para no mar navegar.
  38   --A nau Caterineta, amigo,    essa não ta posso dar,
     que ela, assim que for em terra,    logo irá a queimar.--

Nota del editor de RºPortTOM 2000: Editamos RGP I 1906, (reed. facs. 1982) . Redol 1964, edita apenas dois versos.
Variante de Braga 1869 (y Braga 1982): -11b vem [sic].

Go Back
0457:26 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7779)

Versión de S. Jorge s. l. (isla de S. Jorge, Portugal).   Documentada en o antes de 1869. Publicada en Braga 1869, (y Braga 1982), 292-295. Reeditada en Neves - Campos 1895, 87; Soares de Sousa 1902, 356-359; RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 25-27; Chaves 1943b, 139-141; Lima 1954, 153-155; Redol 1964, 233; Cortes-Rodrigues 1987, 63-65 y Carinhas 1995, II. 87-88; Terreiro 1999, 79 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1677, pp. 394-395. © Fundação Calouste Gulbenkian.  076 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Caterineta    que traz muito que contar.
  2   Há sete anos e um dia    que andam na volta do mar,
     não tinham já que comer,    nem tão-pouco que manjar;
  4   já mataram o seu galo    que tinham para cantar,
     já mataram o seu cão    que tinham para ladrar.
  6   Não tinham mais que comer,    nem tão-pouco que manjar;
     botaram sola de molho    p`ra no outro dia jantar,
  8   a sola era muito dura,    não a puderam rilhar.
     Botaram sortes ao fundo,    a qual haviam matar,
  10   a primeira que caiu    foi ao capitão-general.
     --Arriba, gajeiro, arriba,    arriba ao mastro real;
  12   olha se vês minhas terras,    ou reinos de Portugal.
     --Eu não vejo tuas terras,    nem reinos de Portugal,
  14   vejo três espadas nuas    todas para te matar.
     --Arriba, Pedro, arriba,    meu marinheiro leal,
  16   olha se vês minhas terras,    ou reinos de Portugal.
     O gajeiro, lá em `riba,    em altas vozes gritara:
  18   --Alvíssaras, senhor, alvíssaras,    meu capitão-general,
     que eu já vejo as tuas terras    e reinos de Portugal;
  20   se não nos faltar o vento,    a terra iremos jantar.
     Lá vejo muitas ribeiras,    lavadeiras a lavar,
  22   vejo muito forno aceso,    padeiras a padejar
     e vejo muitos açougues,    carniceiros a matar;
  24   também vejo três meninas    debaixo de um laranjal,
     uma lavrando ouro,    outra, a prata real,
  26   a mais bonitinha delas,    em procura do dedal.
     --Essas três são minhas filhas,    todas três t` eu hei-de dar:
  28   uma para te vestir,    outra para te calçar,
     a mais bonitinha delas    para contigo casar.
  30   --Não quero as tuas filhas,    que Deus tas deixe gozar,
     que eu tenho mulher em França,    filhinhos de sustentar;
  32   quero a nau Caterineta    para nela navegar.
     --A nau Caterineta, amigo,    eu te não posso dar,
  34   assim que chegar a terra,    pois ela vai a queimar;
     dar-te-ei tanto dinheiro    que o não saibas contar.
  36   --Não quero os teus dinheiros,    pois te custam a ganhar,
     quero a nau Caterineta    para nela navegar,
  38   que, assim como escapou desta,    d` outra ainda há-de escapar.--

Variante de RGP I 1906 (reed. facs. 1982): -8a era mui`.

Go Back
0457:27 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7780)

Versión de S. Jorge s. l. (isla de S. Jorge, Portugal).   Documentada en o antes de 1869. Publicada en Braga 1869, (y Braga 1982), 295-297. Reeditada en Soares de Sousa 1902, 359-362; RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 27-29; Lima 1954, 155-157; Redol 1964, 230-231; Cortes-Rodrigues 1987, 60-62; Carinhas 1995, II. 88-89 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1678, pp. 395-396. © Fundação Calouste Gulbenkian.  077 hemist.  Música registrada.

     A nau Santa Caterina    nove anos andou no mar,
  2   já não tinham que comer,    nem mais pouco que manjar;
     botaram sola de molho,    p`ra no domingo jantar;
  4   ela era tanto dura,    não a puderam rilhar.
     Pegaram a botar sortes    a qual haviam matar;
  6   as sortes caíram todas    ao capitão-general.
     --Afirma-te, Pedro, afirma-te,    torna-te bem a afirmar,
  8   olha se vês nossas terras,    ou reinos de Portugal.
     --Eu não vejo vossas terras,    nem reinos de Portugal,
  10   vejo duas espadas nuas    que são para te matar.
     Pegaram a botar sortes    a qual haviam matar,
  12   as sortes caíram todas    ao capitão-general.
     --Afirma-te, Pedro, afirma-te,    torna-te bem a afirmar,
  14   olha se vês nossas terras,    ou reinos de Portugal.
     --Vejo rios a correr,    lavadeiras a lavar,
  16   também vejo três donzelas    debaixo de um laranjal:
     uma caiu-lhe a agulha,    outra, caiu-lhe o dedal,
  18   ergueu-se a mais mocinha,    ergueu-se, foi-lhos buscar.
     --Se elas forem minhas filhas,    todas três tas quero dar:
  20   uma para te vestir,    outra para te calçar,
     a mais bonitinha delas,    para contigo casar.
  22   --Não quero as vossas filhas,    Deus vo-las deixe lograr,
     quero a nau Caterineta    para nela navegar.
  24   --Afirma-te, Pedro, afirma-te,    torna-te bem a afirmar,
     se o vento nos for à popa    em terra havemos jantar,
  26   se ele nos não for à popa,    nós hemos lá ir cear.
     Capitão pilhou-se em terra,    de Pedro não fez mais caso.
  28   Pedro, pela palavra dada,    foi-se meter no quintal;
     as três filhas à janela    do capitão-general.
  30   Respondera uma delas:    --Está um homem no quintal.
     Respondeu uma outra:    --Nós hemos i` lo matar.
  32   Caminharam todas três,    [. . . . . . . . . . . . . . . . . . .]
     com suas tochas acesas    e bordões de laranjal,
  34   deram-lhe tanta pancada    que ele se não pode virar.
     Foi ter com um confessor    para este o confessar.
  36   --Ó Pedro, quem te fez isto    que te causou tanto mal?
     --Foram essas três filhas    do capitão-general:
  38   a mais velha é Maria,    a do meio Brianal,
     a mais moça Flor-do-Dia,    com quem eu quero casar.--

Variante de RGP I 1906 (reed. facs. 1982: -33b brandões do laranjal; -35a com o.

Go Back
0457:28 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7781)

Versión de Altares (c. Angra do Heroísmo, isla de Ilha Terceira, Portugal).   Recitada por Joaquina Cândida Gonçalves. Recogida por Inocêncio Enes, publicada en Enes 1950, 94-96. Reeditada en Cortes-Rodrigues 1987, 56-57; Enes 1988, 97-98; Carinhas 1995, II. 89 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1679, p. 397. © Fundação Calouste Gulbenkian.  050 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que traz muito que contar,
  2   porque já anda há sete anos    pelo mar a navegar.
     Não tinham mais que comer,    não tinham mais que manjar,
  4   botaram sola de molho,    p`ra no domingo jantar.
     A sola era muito dura,    não a puderam rilhar;
  6   botaram sortes ao mar,    a ver quem ia a matar;
     as sete sortes caíram    no capitão-general.
  8   --Arriba, arriba, gajeiro,    àquele tope real,
     vai ver se avistas França,    ou reino de Portugal.
  10   --Eu cá não avisto França,    nem reino de Portugal,
     avisto sete espadas nuas,    prontas para te matar
  12   e sete caldeirões d` água,    prontos para te pelar.
     --Eu também tenho as minhas armas,    para de ti me livrar.
  14   Arriba, arriba tu, Pedro,    ó meu amigo leal,
     vai ver se me avistas França,    ou reino de Portugal.
  16   --Alvíssaras, meu capitão,    alvíssaras vos quero dar,
     que eu já avisto França    e reino de Portugal
  18   e avisto três meninas,    debaixo dum laranjal.
     Uma fia fio d` ouro,    outra, fio de cristal,
  20   a mais pequenina delas    anda em cata do dedal.
     --Todas três são minhas filhas,    todas três te quero dar;
  22   uma para te vestir,    outra para te calçar,
     a mais bonitinha delas,    para contigo casar.
  24   --Não quero as vossas filhas,    vos custaram a criar,
     quero a nau Catrineta,    para nela navegar.--

Nota del editor de RºPortTOM 2000: Editamos Enes 1988. Omitimos a seguinte didascália: entre -13 e -14 O gajeiro que ia na nau era o demónio em figura humana, mas o capitão conheceu-o pelos pés quando ele subiu ao tope real e quando lhe disse: --Eu também tenho as minhas armas para de te (sic) livrar. Fez o sinal da cruz e o demónio fugiu.
Provavelmente recitada por Joaquina Cândida Gonçalves.
Variante de Enes (1950): -5b o [sic] puderam.

Go Back
0457:29 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7782)

Versión de Portugal s. l. (Portugal).   Documentada en o antes de 1960. Publicada en Leite de Vasconcellos 1958-1960, II. 172. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1680, p. 398. © Fundação Calouste Gulbenkian.  054 hemist.  Música registrada.

     Já lá vão pelo mar fora,    já não têm que comer,
  2   deitaram sortes à vida    qual havia de morrer;
     qual havia de morrer,    qual haviam de matar,
  4   caiu a sorte em preto    no capitão-general.
     --Arriba, arriba, gajeiro,    aceita o tope real,
  6   vê se vês terras de Espanha,    areias de Portugal.
     --Não vejo terras de Espanha,    areias de Portugal,
  8   vejo três espadas nuas    que nos vêm a matar.
     --Arriba, arriba, gajeiro,    aceita o tope real;
  10   onde tu não puderes ir,    Deus te há-de ajudar.
     Palavras não eram ditas,    já espírito cai no mar.
  12   --Alvíssaras, meu capitão,    meu capitão-general,
     já vejo terras de Espanha,    areias de Portugal;
  14   `inda vejo três meninas    debaixo dum salgueiral:
     uma cose, outra faz renda,    outra busca o seu dedal.
  16   --Essas três filhas são minhas,    todas três tas quero dar:
     uma para te vestir,    outra para te calçar,
  18   a mais bela delas    todas para contigo casar.
     --Não lhe quero as suas filhas,    que custaram a criar,
  20   quero só a nau dos Quintos    para no mar navegar.
     --Não te dou a nau dos Quintos,    que é de el-rei de Portugal;
  22   em chegando a Lisboa,    logo lha vou entregar;
     mas dou-te tanto dinheiro    que não o saibas contar.
  24   --Não lhe quero o seu dinheiro,    que lhe custou a ganhar,
     quero só a nau dos Quintos    para no mar navegar.
  26   --Um gajeiro que tal diz    merece ser arrastado
     ao redor do meu jardim,    ao rabo do meu cavalo.--

Nota: O colector dá apenas como geografia "Norte". Notem-se as profundas semelhanças entre esta versão e a num 1682.

Go Back
0457:30 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7783)

Versión de Portugal s. l. (Portugal).   Documentada en o antes de 1960. Publicada en Leite de Vasconcellos 1958-1960, II. 520. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1681, pp. 398-399. © Fundação Calouste Gulbenkian.  040 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Caterneta,    que me tem que contar.
  2   Sete anos e um dia    sobre as águas do mar,
     já não tinham que comer,    nem tão-pouco que manjar,
  4   deitaram sola de molho    p`ra no domingo jantar;
     a sola estava tão dura,    não a puderam tragar.
  6   Deitam sortes à ventura    qual haviam de matar,
     a sorte caiu em preto    no tenente-general.
  8   --Sobe, gajeiro, assobe    àquele mastro real;
     vê se vês terras de Espanha,    areias de Portugal.--
  10   Palavras não eram ditas,    gajeiro caiu ao mar,
     por milagre de Maria,    gajeiro tornou ao ar.
  12   --Já vejo terras de Espanha    e areias de Portugal;
     também vejo três meninas    debaixo dum laranjal.
  14   --Todas três são minhas filhas,    todas três tas hei-de dar:
     uma para te vestir,    outra para te calçar,
  16   a mais bonitinha delas    para contigo casar.
     --Não quero as vossas filhas,    que lhe custa a criar,
  18   quero a nau Caterneta    para no mar navegar.
     --Nau Caterneta não ta dou,    que é d` el-rei de Portugal,
  20   quando chegar a Lisboa    logo lha vou entregar.--

Go Back
0457:31 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7784)

Versión de Portugal s. l. (Portugal).   Documentada en o antes de 1960. Publicada en Leite de Vasconcellos 1958-1960, II. 520-521. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1682, pp. 399-400. © Fundação Calouste Gulbenkian.  052 hemist.  Música registrada.

     Já lá vão pelo mar fora,    já não têm que comer,
  2   deitaram sortes à vida,    qual havia de morrer;
     qual havia de morrer,    qual haviam de matar,
  4   caiu a sorte em preto    e no capitão-general.
     --Arriba, arriba, gajeiro,    ascende ao tope real;
  6   vê se avistas terras de Espanha,    areias de Portugal.
     --Não avisto terras de Espanha,    nem areias de Portugal,
  8   vejo só três espadas nuas    que nos vêm a matar.
     --Arriba, arriba, gajeiro,    aceita o tope real,
  10   onde tu não puderes ir,    Deus te há-de ajudar.
     Palavras não eram ditas,    já espírito cai no mar.
  12   --Alvíssaras, meu capitão,    meu capitão-general;
     já vejo terras de Espanha,    areias de Portugal;
  14   já vejo três meninas    debaixo dum salgueiral:
     uma cose, outra faz renda,    outra busca o seu dedal.
  16   --Essas três filhas são minhas,    todas três tas hei-de dar:
     uma para te vestir,    outra para te calçar,
  18   a mais bela delas    todas para contigo casar.
     --Não lhe quero as suas filhas,    que lhe custaram a criar,
  20   quero só a nau dos Quintos    para no mar navegar.
     --Não te dou a nau dos Quintos,    que é d` el-rei de Portugal,
  22   mas dou-te tanto dinheiro    que não o saibas contar.
     --Não lhe quero o seu dinheiro,    que lhe custou a ganhar,
  24   quero só a nau dos Quintos    para no mar navegar.
     --Gajeiro que tal diz    merece ser arrastado
  26   ao redor do meu jardim,    ao rabo do meu cavalo.--

Nota: Notem-se as profundas semelhanças entre esta versão e a num 1680.

Go Back
0457:32 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7785)

Versión de Portugal s. l. (Portugal).   Documentada en o antes de 1913. Publicada en Thomás 1913, 43-46. Reeditada en Cortesão 1942, 145-147 e 279; Costa Fontes 1997b, 323; Mendonça Soares 1998, 22-23 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1683, pp. 400-401. © Fundação Calouste Gulbenkian.  070 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar,
  2   escutai, se quereis ouvir,    uma historia de pasmar.
     Muito tempo era passado    que iam na volta do mar,
  4   já não tinham que comer,    já não tinham que manjar,
     deitaram sola de molho    para o outro dia jantar,
  6   mas a sola era tão dura,    que a não podiam rilhar.
     Deitam sortes à ventura    quem haviam de matar,
  8   mas a sorte foi cair    no capitão-general.
     --Sobe, sobe, marujinho,    àquele mastro real;
  10   vê se vês terras de Espanha    ou praias de Portugal.
     --Não vejo terras de Espanha,    nem praias de Portugal;
  12   vejo sete espadas nuas    que estão para te matar.
     --Arriba, arriba, gajeiro,    alcança o tope real;
  14   vê lá se enxergas Espanha,    areias de Portugal.
     --Dá-me alvíssaras, capitão,    meu capitão-general,
  16   já vejo terras de Espanha    e as praias de Portugal;
     também vejo três meninas    debaixo dum laranjal:
  18   uma sentada a coser,    outra na roca a fiar
     e a mais linda delas todas    está no meio a chorar.
  20   --Todas três são minhas filhas,    quem nas pudera abraçar.
     A mais linda delas todas    há-de contigo casar.
  22   --Eu não quero a vossa filha,    que vos custou a criar.
     --Dou-te então tanto dinheiro    que o não possas contar.
  24   --Não quero o vosso dinheiro,    que vos custou a ganhar.
     --Dou-te o meu cavalo branco,    sempre pronto a galopar.
  26   --Guardai o vosso cavalo,    que vos custou a ensinar.
     --Queres tu a nau Catrineta    para nela navegar?
  28   --Não quero a nau Catrineta    porque a não sei governar.
     --Que queres então, meu gajeiro,    que alvíssaras te hei-de dar?
  30   --Quero só a tua alma    para comigo a levar.
     --Renego de ti, demónio,    que me estavas a tentar;
  32   a minha alma é só de Deus,    o meu corpo é para o mar.--
     Pegou-lhe um anjo nos braços,    não no deixou afogar;
  34   deu um estoiro o demónio    e sossegou logo o mar
     e à noite a nau Catrineta    estava em terra a varar.

Go Back
0457:33 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7795)

Versión de N/A (facticia)* (Portugal).   Documentada en o antes de 1853. Publicada en Almeida Garrett 1843; 1851; 1851, III, 89-93 y Bellermann 1864, 116, 118 y 120; Hardung 1877, I 23-25; Diniz 1881, 225-227; Quental 1883, 7-9; Leite de Vasconcellos 1886a, 44-46. Reeditada en RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 1-4; Michaëlis de Vasconcellos 1910, 6-9; Leite de Vasconcellos 1938, 1065-67; Chaves 1943b, 136-38; Chaves 1948, 387-88; Lima - Carneiro 194?, 74-5 y Lima 1954, 131-33; Lima 1959, 118-20; Coelho 1962, 112-16; Quental 1983, 21-3; Pinto-Correia 1984, 365-67; Lima-Carneiro 1984, 96-8; Viana 1985, 160-63; Quental 1996, 23-5 y RºPortTOM2000, 4, nº 1652.  070 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar,
  2   ouvide, agora, senhores,    uma história de pasmar.
     Passava mais de ano e dia    que iam na volta do mar,
  4   já não tinham que comer,    já não tinham que manjar,
     deitaram sola de molho    para o outro dia jantar,
  6   mas a sola era tão rija    que a não puderam tragar;
     deitam sortes à ventura,    qual se havia de matar,
  8   logo foi cair a sorte    no capitão general.
     --Sobe, sobe, marujinho,    àquele mastro real;
  10   vê se vês terras de Espanha,    as praias de Portugal.
     --Não vejo terras de Espanha,    nem praias de Portugal;
  12   vejo sete espadas nuas    que estão para te matar.
     --Acima, acima, gajeiro,    acima ao tope real;
  14   olha se enxergas Espanha,    areias de Portugal.
     --Alvíssaras, capitão,    meu capitão general;
  16   já vejo terras de Espanha,    areias de Portugal;
     mais enxergo três meninas    debaixo dum laranjal:
  18   uma sentada a coser,    outra na roca a fiar,
     a mais formosa de todas    está no meio a chorar.
  20   --Todas três são minhas filhas,    oh, quem mas dera abraçar!
     A mais formosa de todas    contigo a hei de casar.
  22   --A vossa filha não quero,    que vos custou a criar.
     --Dar te ei tanto dinheiro    que o não possas contar.
  24   --Não quero o vosso dinheiro,    pois vos custou a ganhar.
     --Dou te o meu cavalo branco,    que nunca houve outro igual.
  26   --Guardai o vosso cavalo,    que vos custou a ensinar.
     --Dar te ei a nau Catrineta,    para nela navegar.
  28   --Não quero a nau Catrineta,    que a não sei governar.
     --Que queres tu, meu gajeiro,    que alvíssaras te hei de dar?
  30   --Capitão, quero a tua alma    para comigo a levar.
     --Renego de ti, demónio,    que me estavas a atentar;
  32   a minha alma é só de Deus,    o corpo dou eu ao mar.--
     Tomou o um anjo nos braços,    não no deixou afogar.
  34   Deu um estouro o demónio,    acalmaram vento e mar
     e à noite a nau Catrineta    estava em terra a varar.

Notas e variantes de Almeida Garrett: -1b Ora da nau Catrineta, / dela vos quero contar. --Estremadura. -3a Sete anos e um dia --Minho. -3b Todas as lições dizem assim, menos a do Algarve, que adoptei. -6b Mas a sola era tã dura / que a não podiam rilhar. --Minho. -9b àquele tope real --Lisboa. -12b todas para te matar --Estremadura. -14b vê se vês terras de Espanha, / areias de Portugal. --Minho. -17a também vejo três meninas --Lisboa; três donzelas --Beira Baixa. -25b para nele campear --Ribatejo. -26b A lição de Lisboa acaba aqui o romance por diferente modo. Deixando o sobrenatural da tentação do demónio, que toma a forma do gajeiro para tentar o capitão naquele perigo, dá por verdadeira a aparição da terra e conclui assim: "--Que queres tu, meu gajeiro, / que alvíssaras te hei-de eu dar? // --Eu quero a nau Catrineta / para nela navegar. // --A nau Catrineta, amigo, / é d` el-rei de Portugal, // mas ou eu não sou quem sou, / ou el-rei ta há-de dar." Outra lição também diz nesta última copla: "--Pede-a tu a el-rei, gajeiro, / que ta não pode negar." -32b o corpo da água do mar. --Ribatejo. -35b a bom porto foi parar. --Ribatejo.
Nota del editor de RºPortTOM 2000: Na página 202 do Cancioneiro de Romances, Xacaras, Solaos, manuscrito de Almeida Garrett depositado na Sala Ferreira Lima da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, encontram-se fixados, apenas e sem mais indicações, os seguintes versos: Sobe, sobe, marujinho (1), / àquele tope real, // vê se vês terras de Espanha, / areias de Portugal. (1) Variante autógrafa inscrita na margem direita da página 202. Versão composta, segundo Garrett, por versões oriundas do Algarve, Estremadura, Ribatejo, Beira Baixa e Minho.

Go Back
0457:19 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7772)

Versión de Lagos (c. Lagos, dist. Faro, Algarve, Portugal).   Documentada en o antes de 1901. Publicada en Nunes 1900-1901, 166-167. Reeditada en Athaide Oliveira 1905, (y Athaide Oliveira 1987?) 119-120; RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 8-10; Chaves 1943b, 138-139; Chaves 1948, 389-390; Lima 1954, 137-139; Redol 1964, 232 y Anastácio 1985, 272-273 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1670, pp. 386-387. © Fundação Calouste Gulbenkian.  056 hemist.  Música registrada.

     Já lá vem a nau Catrineta,    que tem muito que contar.
  2   Sete anos e um dia andou    sobre as águas do mar.
     Um dia não tinham que comer,    nem tão-pouco que manjar,
  4   deitaram sola de molho    para ver se a podiam tragar;
     a sola era tão dura    que não a podiam levar.
  6   Deitaram sortes à ventura,    qual se devia de matar,
     a sorte caiu em branco    no tenente-general.
  8   Olharam uns para os outros:    --Meu Deus, quem nos há-de governar?
     --Sobe acima, meu bom gajeiro,    àquele mastro real,
  10   a ver se vês terras de Espanha    ou areias de Portugal.--
     Deitaram sortes à ventura    qual se devia de matar,
  12   a sorte caiu em branco    no tenente-general.
     --Sobe acima, meu bom gajeiro,    àquele mastro real,
  14   a ver se vês terras de Espanha    ou areias de Portugal.
     --Alvíssaras, meu comandante,    meu comandante-general!
  16   Vejo terras de Espanha,    areias de Portugal;
     também vejo três meninas    debaixo de um laranjal.
  18   --Todas três são minhas filhas,    todas três te hei-de dar,
     uma para te vestir,    outra para te calçar,
  20   a mais bonita de todas,    para contigo casar.
     --Não quero as vossas filhas,    que vos custou a criar,
  22   quero a nau Catrineta    para no mar velejar.
     --Catrineta não te dou,    eu te darei o meu cavalo,
  24   com duzentas campainhas    à roda do peitoral.
     --Não quero o seu cavalo,    que lhe custou o seu dinheiro.
  26   quero a nau Catrineta    para no mar velejar.
     --Catrineta não te dou,    nem te a posso dar.
  28   E, chegando ao Cruzeiro,    logo o madou matar.--

Variantes de Athaide Oliveira 1905, (y 1987?): -1a omite ; -5b que a não podiam; -6b se havia de; -9a omite bom; -11b a qual podiam matar; -13a omite bom; -14b omite ou; -16a Lá vejo; -20a e a mais; -23a A Catrineta não te posso dar; -23b omite eu; -25a o teu cavalo; -25b que custou o teu; -27a A Catrineta; -27b nem eu te a posso.
Nota: A fixação foi feita pelas notas de Nunes 1900-1901, que esclarecem as intervenções por ele efectuadas para o estabelecimento do texto.

Go Back
0457:13 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7766)

Versión de Trancoso (c. Trancoso, dist. Guarda, Beira Alta, Portugal).   Documentada en o antes de 1899. Publicada en Santos 1897-1899, 170. Reeditada en Chaves 1943b, 142; Lima 1954, 174-175 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1664, p. 380. © Fundação Calouste Gulbenkian.  023 hemist.  Música registrada.

     Um navio Catrineto    de`xou munto que contar.
  2   Sete anos e um dia    andou perdido no mar.
     Já não tinham que comer,    ainda menos que manjar;
  4   tinham uma sola crua,    num a podiam tragar.
     Deitaram sortes a ventura,    a ver aquele que haviam de matar.
  6   Onde foi cair a sorte?    No capitão-general.
     --Arriba, arriba, gaieiro.    [. . . . . . . . . . . . . . . . . . .]
  8   --Já vejo terras de Espanha    e are`as de Portugual.
     Bem vejo três meninas    deba`xo dum laranjal.
  10   --Todas três são minhas filhas,    todas três vo-las hei-de dar;
     uma é para te vestir,    outra para te calçar,
  12   a mais linda delas todas    será p`ra contigo casar.--

Nota: -8b Portugual sic.

Go Back
0457:14 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7767)

Versión de Penedono (c. Penedono, dist. Viseu, Beira Alta, Portugal).   Recitada por Silvana Neves Lourenço (50a). Recogida por Edite da Silva Neves, publicada en Silva Neves 1959, 247-248. Reeditada en Galhoz 1987-1988, I. 517-518 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1665, pp. 380-381. © Fundação Calouste Gulbenkian.  040 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem munto que contar.
  2   Passava ano e dia    que num saía do mar;
     já num tinham que comer,    já num tinham que tragar.
  4   Botaram solas de molho    p`r` ò outro dia jantar,
     as solas eram tão rijas,    que as num puderam tragar.
  6   Deitaram sortes à vintura,    qual s` havia de matar,
     logo foi cair a sorte    no capitão-general.
  8   --Sobe, sobe, marujinho,    vaquele mastro real,
     vê se inxergas terras de Espanha,    ou areias de Portugal.
  10   --Nem vejo terras de Espanha,    nem areias de Portugal,
     só vejo três meninas    debaixo dum laranjal.
  12   --Todas três são minhas filhas,    oh, quem mas dera abraçar!
     A mais formosa de todas    contigo há-de casar.
  14   --Num quero a tua filha,    que te custou munto a criar.
     --Dou-te meu cavalo branco,    que num há outro igual.
  16   --Num quero o teu cavalo,    que te custou a inxinar,
     quero a tua alma    p`ra comigo levar.
  18   --Minha alma intrego a Deus,    meu corpo lanço `ò mar;
     arrenego de ti, demónio,    que me estavas a tentar.--
  20   À noite a nau Catrineta    im terra estava varar.

Go Back
0457:15 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7768)

Versión de Sobral do Campo (c. Castelo Branco, dist. Castelo Branco, Beira Baixa, Portugal).   Recitada por Maria Bárbara Proença (37a). Recogida por Maria José Dias Martins, publicada en Dias Martins 1954, 238-240. Reeditada en Galhoz 1987-1988, I. 520-521 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1666, pp. 381-382. © Fundação Calouste Gulbenkian.  060 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que traz muito que contar;
  2   venham ouvir, meus senhores,    uma história de pasmar.
     Há dois anos e um dia    que andavam no meio do mar,
  4   uma tarde, anoiteceu,    não tinham lá que manjar;
     deitaram solas de molho    para no outro dia almoçar,
  6   as solas eram tão duras,    não as puderam tragar.
     Deitaram sortes à aventura    qual se havia de matar,
  8   onde veio calhar a sorte    ao capitão-general.
     --Alto, alto, marujinho,    sobe aquele mastro real,
  10   vê se vês terras de Espanha,    areias de Portugal.
     --Só vejo sete espadas,    numa que estão para te matar.
  12   --Alto, alto, marujinho,    sobe aquele mastro real,
     vê se vês terras de Espanha,    areias de Portugal.
  14   --Já vejo terras de Espanha,    areias de Portugal;
     também vejo três meninas    debaixo de um laranjal:
  16   uma está a coser,    outra está a fiar,
     a mais bonita de todas    está no meio a chorar.
  18   --Todas três são minhas filhas,    quem mas dera abraçar;
     a mais formosa de todas    contigo a hei-de a casar.
  20   --Eu não quero as tuas filhas,    que te custaram a criar.
     --Darei-te tanto dinheiro    que o não possas contar.
  22   --Não quero o seu dinheiro,    que lhe custou a ganhar.
     --Darei-te o meu cavalo branco    para nele cavalgar.
  24   --Não quero o seu cavalo branco,    que o não posso sustentar.
     --Darei-te a nau Catrineta    para nela navegar.
  26   --Não quero a nau Catrineta,    que a não sei comandar,
     só quero a tua alma    para comigo levar.
  28   --Afasta-te de mim, demónio,    que me andas àtintar;
     minha alma é de Deus,    meu corpo dou-o ao mar.
  30   Mas veio um anjo do céu,    não o deixou afogar.--

Go Back
0457:16 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7769)

Versión de Alcongosta (c. Fundão, dist. Castelo Branco, Beira Baixa, Portugal).   Recitada por Maria da Assunção Baptista (35a). Recogida por Maria José Dias Martins, publicada en Dias Martins 1954, 240-241. Reeditada en Galhoz 1987-1988, I. 519-520 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1667, pp. 382-383. © Fundação Calouste Gulbenkian.  046 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que há-de trazer que contar;
  2   menos traz que comer,    menos traz que contar.
     Há sete anos e um dia    que anda do mar a navegar.
  4   Deitaram sola de remolho,    se a podiam relhar;
     mas a sola era tão dura,    não a puderam relhar.
  6   Deitaram sortes à aventura    qual se havia de matar;
     a sorte saiu em preto    em tenente-general.
  8   --Vai arriba, ó Mesquita,    àquele mastro real,
     vai a ver se vês terras de Espanha    ou areia de Portugal.
  10   --Eu não vejo terra de Espanha,    nem areia de Portugal.
     `Inda aqui tenho minha espada    para capitão matar.
  12   --Vai arriba, ó Mesquita,    a esse mastro real,
     que ainda aqui tenho três pães    para ao Domingo jantares.
  14   --Alvíssaras, meu capitão,    meu tenente-general,
     já vejo terra de Espanha,    areia de Portugal;
  16   também vejo três meninas    debaixo de um laranjal.
     --Todas três são minhas filhas,    todas três tas hei-de dar;
  18   uma para te vestir,    outra para te calçar,
     a mais linda delas todas    com ela hás-de casar.
  20   --Eu não quero as suas filhas,    que lhe custaram a criar,
     só quero a nau Catrineta,    que anda do mar navegar.
  22   --Nau Catrineta não ta dou,    que é d` al-rei de Portugal,
     em chegando a Lisboa    eu a mandarei queimar.--

Go Back
0457:17 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7770)

Versión de Póvoa da Atalaia (c. Fundão, dist. Castelo Branco, Beira Baixa, Portugal).   Recitada por Ana Augusta Nabais (40a). Recogida por Maria José Dias Martins, publicada en Dias Martins 1954, 242-243. Reeditada en Galhoz 1987-1988, I. 518-519 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1668, pp. 383-384. © Fundação Calouste Gulbenkian.  057 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta,    leva muito que contar,
  2   leva muito que comer    e muito majar.
     Foram a deitar sola de molho    para o outro dia jantar,
  4   a sola era tão rija    que não a puderam trincar;
     foram a deitar sortes à aventura,    qual se havia de matar,
  6   logo caíu a sorte    no capitão geral.
     --Sube, sube, marujinho,    àquele mastro arraal,
  8   vê se me vês terras de Espanha    ou areias de Portugal.
     --Não vejo terras de Espanha,    nem areias de Portugal,
  10   só vejo sete espadas nuas    que estão para te matar.
     --Sube, sube, marujinho,    àquele mastro arraal,
  12   vê se me vês terras de Espanha    ou areias de Portugal.
     --Não vejo terras de Espanha,    nem areias de Portugal,
  14   só vejo três meninas    debaixo de um laranjal:
     uma sentada a coser,    outra na roca a fiar,
  16   a mais formosa delas todas    no meio a chorar.
     --Todas três são minhas filhas,    que` mas dera abraçar;
  18   a mais formosa delas todas    contigo há-de casar.
     --Não vos quero a vossa filha,    que vos custou a criar.
  20   --Dar-vos-eu tanto dinheiro    que não o posso contar.
     --Não vos quero o vosso dinheiro,    que vos custou a ganhar.
  22   --Dar-vos-eu meu cavalo    para nele andar.
     --Não vos quero o cavalo branco,    que vos custou a criar.
  24   --Dar-vos-eu a nau Catrineta    para nela navegares.
     --Não vos quero a nau Catrineta,    que vos é precisa para navegarens.
  26   --Ai de mim, o que queres?    [. . . . . . . . . . . . . . . . . . .]
     --De ti, não quero nada;    só quero a tua alma.
  28   --Renega de mim, demónio,    não me andes a atentar,
     a minha alma é para Deus,    o meu corpo para o mar.--

Go Back
0457:8 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7761)

Versión de S. Tomé de Covelas (c. Baião, dist. Porto, Douro Litoral, Portugal).   Recogida 00/00/1885 Publicada en Leite de Vasconcellos 1928, 83. Reeditada en Leite de Vasconcellos 1958-1960, II. 170 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1659, p. 376. © Fundação Calouste Gulbenkian.  046 hemist.  Música registrada.

     História da nau Catrineta    eu vo-la quero contar.
  2   Trinta anos e um dia,    sempre à beira do mar,
     não havia que comer,    nem tão-pouco que gastar.
  4   Botaro` solas de molho    para domingo jantar;
     as solas ero` tão rijas,    não nas pudero` tragar;
  6   botaro` sortes a ver    quais s` havia de matar,
     caiu a sorte promeira    no capitão-general.
  8   --Arriba, arriba, gajeiro,    àquele tope real,
     ver se vês terras de França,    ou areias de Portugal.
  10   --Alvissa`s, meu capitão,    alvissa`s, meu general,
     já vejo terras de França    e areias de Portugal;
  12   também vejo três donzelas    à sombra dum laranjal:
     a mais nova está a coser    e a chigante está a bordar
  14   e a mais bela delas todas    por seus pais está a chorar.
     --Todas três são minhas filhas,    todas três tas hei-de dar:
  16   uma para te vestir,    oitra para te calçar
     e a que mais bonita    for para contigo casar.
  18   --Num quero as tuas filhas,    Deu` las deixe bem fadar.
     --Darei-te tanto dinheiro    qui o não possas contar.
  20   --Eu num quero o seu dinheiro,    que le custou a ganhar.
     --Dou--t` o meu cavalo branco    para tu o felotriar.
  22   --Eu num quero o seu cavalo    qui é de você passear,
     quero a nau Catrineta    para no mar navegar.--
     . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Variantes de Leite de Vasconcellos 1958-1960, II: -7a primeira; -14a a mais velha; -14b seu pai; -18a Não quero; -19b que o; -20a não quero; -22a não quero; -22b que é.

Go Back
0457:9 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7762)

Versión de Marco de Canaveses (c. Marco de Canaveses, dist. Porto, Douro Litoral, Portugal).   Recogida 00/00/1902 Publicada en Leite de Vasconcellos 1958-1960, II. 169-170. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1660, p. 377. © Fundação Calouste Gulbenkian.  028 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar.
  2   Botaram sola de molho    para domingo jantar;
     a sola era tão rija    que não na puderam rilhar;
  4   botaram sortes à ventura,    q`ais havio` de matar,
     a morte caiu em branco,    capitão de general.
  6   --Assobe acima, piloto,    àquele mastro real,
     avista terrras de França    e areias de Portugal.
  8   --Já avistei terras de França    e areias de Portugal,
     também avistei três meninas    defronte de um laranjal.
  10   --Todas três são minhas filhas,    todas três tas hei-de dar;
     a mais nova delas todas    para contigo casar,
  12   uma para te vestir    e oitra para te calçar.
     --Não quero as vossas filhas,    que eu não sei governar,
  14   quero a vossa fragata    para no céu navegar.--

Go Back
0457:10 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7763)

Versión de Monte Córdova (c. Santo Tirso, dist. Porto, Douro Litoral, Portugal).   Documentada en o antes de 1942. Publicada en Carneiro 1942b, 27-28. Reeditada en Carneiro 1958, 63-66 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1661, pp. 377-378. © Fundação Calouste Gulbenkian.  050 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar.
  2   Andava há anos e dias    naquela volta do mar,
     já não tinham que comer,    já não tinham que manjar;
  4   deitaram sola de molho    para com ela jantar.
     A sola, que era rija,    não a puderam tragar;
  6   deitaram a sorte à roda,    quem deviam de matar,
     logo foi cair a sorte    no capitão-general.
  8   --Acima, acima, gajeiro,    àquele mastro real;
     vê se vês terras de Espanha,    ou praias de Portugal.
  10   --Nem vejo terras de Espanha,    nem praias de Portugal,
     vejo sete espadas nuas    desimbainhadas p`ra te matar.
  12   --Volta acima, ó gajeiro,    àquele mastro real.
     --Já vejo terras de Espanha    e praias de Portugal;
  14   já lá vejo três meninas    debaixo dum laranjal:
     uma sentada a coser,    outra na roca a fiar;
  16   a mais formosa de todas    está no meio a chorar.
     --Todas três são minhas filhas,    ai, quem mas dera abraçar!
  18   --Quanto dais vós, ó senhor,    a quem vos vai lá levar?
     --Todas três tas dera a ti,    se me lá fores levar.
  20   --Não quero as vossas filhas,    que custaram a criar.
     --Dera-vos tanto dinheiro,    que vós não possais contar.
  22   --Não quero vosso dinheiro,    que vos custou a ganhar,
     eu quero a vossa alma    para comigo levar.
  24   --Minha alma é de Deus,    o corpo vou dar ao mar.
     Vai-te embora, diabo negro,    que me estavas a tentar.--

Go Back
0457:11 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7764)

Versión de Santo Tirso (c. Santo Tirso, dist. Porto, Douro Litoral, Portugal).   Documentada en o antes de 1917. Publicada en Lima 1914-1917, 301-302. Reeditada en Chaves 1943b, 142-143; Lima 1948, 517-518; Lima 1954, 173 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1662, pp. 378-379. © Fundação Calouste Gulbenkian.  025 hemist.  Música registrada.

     . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    . . . . . . . . . . . . . . . . . . .(1)
     Botaram as sete sortes,    quais haviam de matar;
  2   as sete sortes caíram    no capitão-general.
     Todos erguero` a espada    para o capitão matar;
  4   capitão ergueu a sua    para seu corpo livrar.
     Dali ouviu uma voz.    [. . . . . . . . . . . . . . . . . . .]
  6   --Quanto deras, capitão,    a quem te ponha em Portugal?
     --Dera-vos tanto dinheiro    que o não saibas contar.
  8   --Não quero vosso dinheiro    que vos custou a ganhar;
     tens de dar a mão à palma,    só quero a tua alma.
  10   --Arrenego-te eu, ó demónio,    e à tua má palavra,
     que a minha alma é de Deus    e da Virgem Mãe Sagrada.--
  12   Palavra não era dita,    já o navio andava.
     Oh, nau de Santa Catarina,    alegre que és aparecido.

Nota de Augusto César Pires de Lima: -1 A nau estava há sete anos parada, tinham comido tudo o que levavam, até a sola; não tinham mais que comer.
Nota del editor de RºPortTOM 2000: -13b Por lapso, Lima 1914-1917, e Lima 1948, incorporam no texto, depois de -13, a seguinte nota: Há certos autores que diz: oh, nau, que eras perdido.
Variante de Lima (1948): -4a ergue.

Go Back
0457:12 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7765)

Versión de Vila Nova de Gaia (c. Vila Nova de Gaia, dist. Porto, Douro Litoral, Portugal).   Recitada por una mujer. Documentada en o antes de 1911. Publicada en Pereira 1911, 125-126. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1663, pp. 379-380. © Fundação Calouste Gulbenkian.  068 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar;
  2   ouvide agora, senhores,    uma historia de pasmar.
     Passava mais d` ano e dia    que iam na volta do mar;
  4   já não tinham que comer,    já não tinham que manjar;
     deitaram sola de molho    p`ra no outro dia jantar,
  6   mas a sola era tão rija    que a não puderam rilhar.
     Deitaram sortes à ventura    qual se havia de matar,
  8   logo foi cair a sorte    ao capitão-general.
     --Sobe, sobe, marujinho,    àquele mastro real,
  10   vê se vês terras de Espanha    ou terras de Portugal.
     --Não vejo terras de Espanha,    nem terras de Portugal,
  12   vejo sete espadas nuas    que estão para te matar.
     --Acima, acima, gajeiro,    acima ao tope real,
  14   vê se vês terras de Espanha,    are`as de Portugal.
     --Alvisses, meu capitão,    alvisses, meu capitão-general,
  16   já vejo terras de Espanha,    are`as de Portugal;
     também vejo três meninas    debaixo dum laranjal:
  18   uma sentada a coser,    outra na roca a fiar,
     a mais linda delas todas    está no meio a chorar.
  20   --Todas três são minhas filhas,    oh, quem mas dera abraçar!
     A mais linda delas todas    contigo a hei-de casar.
  22   --Não quero a vossa filha,    que vos custou a criar.
     --Dou-te o meu cavalo branco    como não há outro igual.
  24   --Não quero o vosso cavalo,    que vos custou a ensinar.
     --Darei-te tanto dinheiro    que o não possas contar.
  26   --Não quero o vosso dinheiro,    pois vos custou a ganhar.
     --Darei-te a nau Catrineta    para nela navegar.
  28   --Não quero a nau Catrineta,    que a não sei governar.
     --Que queres tu, meu gajeiro,    que alvisses te hei-de dar?
  30   --Capitão, quero a tua alma    para comigo a levar.
     --Renego de ti, demónio,    que me estavas atentar;
  32   a minha alma dou-a Deus    e o corpo dou ao mar.
     Arrebentou o demónio,    acalmou o vento e o mar;
  34   à noite, a nau Catrineta    estava em terra a varar.

Go Back
0457:18 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7771)

Versión de Lisboa (c. Lisboa, dist. Lisboa, Estremadura, Portugal).   Documentada en o antes de 1867. Publicada en Braga 1867a, 58-59. Reeditada en Hardung 1887, I. 21-23 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1669, pp. 384-385. © Fundação Calouste Gulbenkian.  058 hemist.  Música registrada.

     Ora da nau Catrineta,    dela vos quero contar,
  2   sete anos e mais um dia    andou nas águas do mar.
     Não tinham lá que comer,    nem mais quê para manjar,
  4   deitaram solas de molho    para o domingo jantar;
     a sola era tão dura,    não a puderam tragar.
  6   Deitam sortes à ventura,    a ver quem se há-de matar,
     logo foi cair a sorte    no capitão-general.
  8   --Sobe, sobe, marujinho,    àquele tope real,
     vê se vês terras de Espanha    ou praias de Portugal.
  10   --Não vejo terras de Espanha,    nem praias de Portugal,
     vejo sete espadas nuas,    todas para te matar.
  12   --Acima, acima, gajeiro,    àquele tope real,
     vê se vês terras de Espanha,    as praias de Portugal.
  14   --Alvíssaras, capitão,    meu capitão-general,
     já vejo terras de Espanha    e praias de Portugal;
  16   também vejo três meninas    debaixo de um laranjal;
     uma sentada a coser,    outra na roca a fiar,
  18   a mais formosa de todas    está no meio a chorar.
     --Todas três são minhas filhas,    oh, quem mas dera abraçar!
  20   A mais formosa de todas    contigo a hei-de casar.
     --A vossa filha não quero,    que vos custou a criar.
  22   --Dar-te-ei tanto dinheiro    que o não possas contar.
     --Não quero o vosso dinheiro,    pois vos custou a ganhar.
  24   --Dou-te o meu cavalo branco,    que nunca houve outro igual.
     --Guardai o vosso cavalo,    que vos custou a ensinar.
  26   --Que queres tu, meu gajeiro,    que alvíssaras te hei de eu dar?
     --Eu quero a nau Catrineta,    para nela navegar.
  28   --A nau Catrineta, amigo,    é de el-rei de Portugal;
     mas ou eu não sou quem sou,    ou el-rei ta há-de dar.--

Go Back
0457:20 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7773)

Versión de S. Martinho (c. Funchal, isla de Madeira, Madeira, Portugal).   Recitada por Vitória de Jesus. Documentada en o antes de 1880. Publicada en Azevedo 1880, 238-241. Reeditada en RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 10-12; Lima 1954, 139-141; Redol 1964, 229-230; Carinhas 1995, II. 185-186 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1671, pp. 386-387. © Fundação Calouste Gulbenkian.  076 hemist.  Música registrada.

     Ai, nossa nau Catrineta,    andas perdida na mar,
  2   já nã temos que beber,    já nã temos que manjar;
     botámos sola de molho,    pera um dia jantar,
  4   mas era ela tão rija,    que nã se pode rilhar.
     Deitámos, então, em sortes,    qual havéramos matar
  6   e no capitão maioral    sete vezes foram dar.
     --Vinde cá, bom pilotinho,    ajudá-lo a matar.
  8   --Tenho feito juramento    no meu livro de rezar,
     capitão com quem companhe,    nã no hei-d` atreiçoar.
  10   Palavras não eram ditas,    diz lo capitão maioral:
     --Vinde cá, bom pilotinho,    meu amigo tão leal,
  12   assubi-m` àquele mastro,    àquela gávea real,
     vede s` avistais de lá    las praias de Portugal.
  14   Se vós avistardes terra,    grande tença vos hei dar;
     tanto dinheiro tereis,    que possais nau carregar
  16   e vos darei minha prima    pera convosco casar
     e la minha melhor terra,    em dote el` há-de levar.
  18   --Nã quero la vossa tença,    que só el-rei pode dar;
     nã quero vosso dinheiro,    que `inda tendes por ganhar;
  20   nã quero la vossa prima,    que nã mandastes criar
     e menos la vossa terra,    que `inda tendes por herdar.
  22   Quero la nau Catrineta,    p`ra com ela navegar.
     --`Inda la triste da nau    muito terá que passar,
  24   levai-la vós a bom porto,    p`ra que la possais ganhar.
     Ide lá, bom pilotinho,    meu amigo tão leal,
  26   assubi-m` àquele mastro,    àquela gávea real,
     vede s` avistais de lá    las praias de Portugal.
  28   Sobe lo piloto arriba    da alta gávea real
     e lá de `riba bradou    p`ra lo capitão maioral:
  30   --Alvíssaras, capitão,    meu capitão-general,
     avisto costa de Espanha    e costa de Portugal.
  32   Parecem duas meninas    postas no seu laranjal;
     ambas têm seus frutos    loiros e seus fios de cristal.
  34   Palavras não eram ditas,    diz lo capitão maioral:
     --Deixemos costa de Espanha,    vamos à de Portugal,
  36   aí é la minha terra,    la minha terra natal.
     --Ganhei la nau Catrineta,    meu capitão-general.
  38   --Mas quem vo-la pode    dar é el-rei de Portugal.--

Nota del editor de RºPortTOM 2000: Omitimos a seguinte didascália: entre -17 e -18 Responde lo piloto; entre -22 e -23 Diz lo capitão.

Go Back
0457:21 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7774)

Versión de Funchal (c. Funchal, isla de Madeira, Madeira, Portugal).   Documentada en o antes de 1880. Publicada en Azevedo 1880, 243-249. Reeditada en RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 14-18; Lima 1954, 143-146; Chaves 1962, 102-104; Redol 1964, 227-229; Carinhas 1995, II. 187-188 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1672, pp. 387-389. © Fundação Calouste Gulbenkian.  120 hemist.  Música registrada.

     Sete anos e um dia,    sob las águas de la mar,
  2   andou la nau Catrineta,    sem já haver que manjar.
     Deitaram coiros de molho,    p`ra nesse dia jantar,
  4   mas tão duros eram eles,    que nã los podem tragar.
     Tiraram então por sortes    qual haviam de matar,
  6   foi la sorte sete vezes    no capitão acertar.
     --Vinde vós cá, bom fradinho,    lo capitão confessar;
  8   vinde, com vossa benção,    seus pecados perdoar.
     --Tenho feito juramento,    no meu livro de rezar,
  10   a capitão com quem venha,    pecados nã perdoar.--
     Enquanto eles falavam,    diz lo capitão maioral:
  12   --Vem tu cá, ó bom piloto,    meu bom piloto leal,
     assube-m` àquele tope    daquele mastro real,
  14   vigia s` avistas terras,    [. . . . . . . . . . . . . . . . . . .]
     seja da banda de Espanha,    ou seja de Portugal.
  16   --Nem duma, nem doutra banda,    nã nas posso avistar,
     vejo só espadas nuas,    com que vos querem matar.--
  18   Disse então lo capitão,    quase sem poder falar:
     --Vinde vós cá, bom fradinho,    ajudai a me salvar.
  20   --Lo que jurei foi jurado,    no meu livro de rezar.
     --Vinde, vinde, bom fradinho,    ajudai a me livrar;
  22   dou-vos tanto que podereis    um mosteiro levantar.
     --Bem me importa a mim mosteiro,    bem me importa cabedal;
  24   um frade da mão furada    só quer tua alma maioral.--
     Lo capitão fez três cruzes    e oração bem rezada.
  26   --Valei-me vós, Mãe de Deus,    Virgem Maria Sagrada,
     abrenuncio de ti, demo,    fradinho da mão furada.--
  28   Ainda la reza toda    nã estava bem acabada,
     lo fradinho que estoirou,    nem trovão de trovoada.
  30   Do relâmpago tamanho,    ficou la gente assombrada
     e, quando a si tornaram,    do frade ninguém viu nada.
  32   E la nau `té `li perdida,    vai direito navegada.
     Disse então lo capitão,    já com vozes de maioral:
  34   --Vem tu cá, ó bom piloto,    meu bom piloto leal,
     assube-m` àquele tope,    daquele mastro real,
  36   vigia s` avistas terras,    [. . . . . . . . . . . . . . . . . . .]
     seja da banda de Espanha,    ou seja de Portugal.
  38   --À popa terras avisto,    mas são terras d` areal,
     são terras de Berberónia,    más terras, meu general.
  40   --Olha à proa, bom piloto,    meu bom piloto leal,
     vigia s` avistas terras    de Espanha ou Portugal.
  42   --Alvíssaras senhor, alvíssaras,    meu capitão-general;
     terra avisto de Espanha    e terra de Portugal;
  44   parecem duas senhoras,    postas em seu laranjal;
     à cabeça, frutos d` oiro,    aos pés, fios de cristal.
  46   --Essas mesmas são las terras    de Espanha e Portugal;
     lá mataremos la fome,    nos frutos do laranjal;
  48   lá mataremos la sede,    nos seus fios de cristal;
     por alvíssaras te darei,    do meu grosso cabedal.
  50   --Nã quero vosso dinheiro,    nem frutas, nem água fria,
     só esta nau Catrineta,    isso era lo que eu queria.
  52   --Ai, minha nau Catrineta,    eu nã te la posso dar,
     porque quero morrer nela,    hei-de-me nel` enterrar;
  54   los mastros serão las tochas    que me hão-d` alumiar;
     será lençol uma vela    que me há-d` amortalhar
  56   e lo casco será tumba    e sepultura la mar.
     Calou-se lo capitão,    que terra clara se via
  58   e la companha, contente,    qual a qual assim dizia:
     --Las casinhas que lá há,    bem nas vejo alvejar;
  60   das lareiras qu` elas têm,    eu bem vejo fumegar;
     las padeiras que lá moram,    bem nas vejo padejar;
  62   fritadeiras que lá vivem,    peixinho estão a fritar;
     las taberneiras lá sinto    da pipa vinho tirar.
  64   Anda, anda, Catrineta,    que já lá imos jantar.--
     Palavras não eram ditas,    ferro la nau a deitar
  66   e «Viva! Viva!» da terra    e los da nau a bradar.

Nota del editor de RºPortTOM 2000: Omitimos as seguintes didascálias: entre -6 e -7 Dizem los da nau; entre -8 e -9 Responde lo frade; entre -15 e -16 Responde lo piloto lá de `riba; entre -19 e -20 Responde lo frade; entre -20 e -21 Mas lo capitão repetiu; entre -22 e -23 E lo frade disse então; entre -37 e -38 Responde lo piloto; entre -39 e -40 Lo capitão; entre -41 e -42 Lo piloto; entre -45 e -46 Lo capitão; entre -49 e -50 Lo piloto; entre -51 e -52 Responde lo capitão.
Nota: Chaves 1962 edita parcialmente esta versão.

Go Back
0457:22 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7775)

Versión de Ponta Delgada (c. S. Vicente, isla de Madeira, Madeira, Portugal).   Recitada por José Maria. Documentada en o antes de 1880. Publicada en Azevedo 1880, 241-243. Reeditada en RGP I 1906, (reed. facs. 1982) 12-14; Lima 1954, 141-143; Chaves 1962, 104-105; Redol 1964, 226-227; Carinhas 1995, II. 186-187 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1673, pp. 389-390. © Fundação Calouste Gulbenkian.  048 hemist.  Música registrada.

     Por set` anos e um dia,    sob las ondas de la mar,
  2   andou la nau Catrineta    e nã tinham que manjar.
     Da coirama que traziam,    demolharam p`ra jantar,
  4   mas la coirama, tão dura,    nã na puderam tragar
     e, então, deitaram sortes,    p`ra quem haviam matar.
  6   La negra sorte caiu    no bom capitão maioral.
     --Vem tu cá, mestre piloto,    que sempre foste leal,
  8   assube-m` àquela gávea    desta nossa nau real;
     vê se m` avistas la terra    do reino de Portugal.--
  10   Lo piloto diz de `riba:    --Parabéns, senhor maioral,
     que enxergo além la terra    do reino de Portugal;
  12   parece moça morena,    debaixo dum parreiral;
     tem, por cima, cachos d` oiro,    no chão, fios de cristal
  14   e, com ser tão pequenina,    tem lança, nã quer dedal.
     --Leva-me, piloto-mestre,    à terra de Portugal;
  16   lá mataremos la fome,    debaixo do parreiral;
     lá mataremos la sede,    nesses fios de cristal;
  18   ademais terás em paga    muito do meu cabedal.
     --Nã quero dos cachos d` oiro,    nem dos fios de cristal,
  20   tão-pouco vosso dinheiro,    quero vossa alma maioral.
     --Eu t` arrenego, diabo,    nã me venhas atentar.
  22   Seja minha alma p`ra Deus,    fique meu corpo na mar.--
     Lo diabo do piloto    rebentou sem mais falar;
  24   foi la nau a salvamento    logo no porto entrar.
    
--Virgem Maria Santa,
    
mãe de Deus e mãe de nós
    
apressada is à cruz,
    
apressado vim a vós.

    
Quatro cantos tem la casa,
    
quatro círios a arder;
    
está lo Anjo da Guarda
    
p`ra do cão me defender

    
e Jesus à minha boca
    
e Jesus neste meio peito
    
e Jesus por ond` eu ando
    
e Jesus ond` eu me deito.

Nota del editor de RºPortTOM 2000: Omitimos as seguintes didascálias: entre -6 e -7 E disse ele; entre -14 e -15 Responde lo capitão; entre -18 e -19 Diz lo piloto; entre -20 e -21 Então, lo capitão, vendo que lo piloto era um diabo, cramou; depois de -24 E agiolharam todos e lo capitão maioral rezou sua oração assim.
Nota: Chaves 1962 edita parcialmente esta versão.

Go Back
0457:5 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7758)

Versión de Jolda (c. Arcos de Valdevez, dist. Viana do Castelo, Minho, Portugal).   Documentada en o antes de 1960. Publicada en Leite de Vasconcellos 1958-1960, II. 169. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1656, p. 374. © Fundação Calouste Gulbenkian.  040 hemist.  Música registrada.

     Andavam há dezoito meses    sob las águas do mar,
  2   já o tempo era tanto,    que não tinham que manjar.
     Botaram solas de molho    para o outro dia jantar;
  4   solas eram muito duras,    não se podiam roer.
     Botaram sortes à ventura    qual havia de morrer;
  6   logo pela primeira caiu    no senhor capitão.
     . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
     --Arriba, gajeiro, arriba,    àquele mastro real,
  8   para ver se enxergas Espanha    ou areias de Portugal.
     --Eu não enxergo Espanha,    nem areias de Portugal,
  10   só enxergo três meninas,    debaixo dum laranjal.
     --Darei-t` uma das meninas    para contigo casar.
  12   --Não quero a tua filha,    que te custou a criar.
     --Darei-te tanto dinheiro,    que o não saibas contar.
  14   --Não quero o teu dinheiro,    que te custou a ganhar.
     --Darei-t` esta embarcação    para no mar navegar.
  16   --Não quero a embarcação,    que a não sei governar.
     --Diz-me tu, ó gajeirinho,    eu qu` alvisses t` hei-de dar?
  18   --Só quero a tua alma    para comigo levar.
     --Minha alma dou-a a Deus,    o meu corpo dou ao mar.
  20   Sai daqui, diabo negro,    não me queiras atentar.--

Go Back
0457:6 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7759)

Versión de Refóios do Lima (c. Ponte de Lima, dist. Viana do Castelo, Minho, Portugal).   Documentada en o antes de 1960. Publicada en Leite de Vasconcellos 1958-1960, II. 168. Reeditada en Alvar 1971c, 217-218; Pinto-Correia 1984, 367 y RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1657, p. 375. © Fundação Calouste Gulbenkian.  048 hemist.  Música registrada.

     Já lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar.
  2   Já não tinham que comer,    já não tinham que manjar,
     deitaram sola de molho    para de manhã almoçar,
  4   mas a sola era tão dura    que não a podiam tragar.
     Deitaram sortes à ventura    a ver qual se devia matar;
  6   a quem devia cair a sorte,    ao capitão-general.
     --Sobe acima, piloto,    para esse mastro real,
  8   a ver se vês terras de Espanha    ou praias de além do mar.
     --Não vejo terras de Espanha,    nem praias de além do mar,
  10   vejo sete espadas nuas,    que estão para te matar.
     --Acima, acima, marinheiro,    por esse mastro real,
  12   a ver se vês terras de Espanha    ou praias de além do mar.
     --Já vejo terras de Espanha    e praias de além do mar,
  14   também vejo três meninas    no brinquedo a brincar.
     --Aquelas são minhas filhas,    quem as pudera abraçar!
  16   --Tu abraças as tuas filhas,    que eu te lá hei-de levar.
     --Hei-de te dar a filha mais velha    para contigo casar.
  18   --Não te quero a tua filha,    que te custou a criar.
     --Dar-te-ei a nau Catrineta,    para nela navegares.
  20   --Não te quero a nau Catrineta,    que te custou a ganhar.
     --Então que queres, marinheiro,    que alvíssaras te hei-de dar?
  22   --Capitão, dá-me a tua alma,    para comigo a levar.
     --Eu te arrenego, mal-demónio,    e a tua feia palavra;
  24   a minha alma é só para Deus    e para a Virgem Sagrada.--

Go Back
0457:3 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7756)

Versión de Póvoa de Lanhoso (c. Póvoa de Lanhoso, dist. Braga, Trás-os-Montes, Portugal).   Documentada en o antes de 1940. Publicada en Sampaio 1940, (reeds. facs. 1944 y 1987) 150. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1654, p. 373. © Fundação Calouste Gulbenkian.  pp6 hemist.  Música registrada.

     Lá vem a nau Catrineta    que tem muito que contar(e),
  2   ouvi, agora, senhores,    uma história de pasmar(e).

Nota del editor de RºPortTOM 2000: -1b, -2b Os parêntesis são da responsabilidade de Sampaio 1940 (reeds. facs. 1944 y 1987). Sampaio edita apenas a transcrição musical com os dois primeiros versos.

Go Back
0457:4 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7757)

Versión de S. Simão de Novais (c. Vila Nova de Famalicão, dist. Braga, Trás-os-Montes, Portugal).   Documentada en o antes de 1943. Publicada en Lima - Lima 1943, 49. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1655, pp. 373-374. © Fundação Calouste Gulbenkian.  042 hemist.  Música registrada.

     --Eu enxergo três meninas    debaixo dum laranjal:
  2   uma sentada a coser,    outra na roca a fiar,
     a mais formosa de todas    está no meio a varar.
  4   --Todas três são minhas filhas,    oh, quem mas dera abraçar!
     A mais formosa de todas    contigo há-de casar.
  6   --Não quero a tua filha,    que te custou a criar.
     --Darei-te tanto dinheiro    que o não possas contar.
  8   --O teu dinheiro não quero,    que te custou a ganhar.
     --Darei-te o meu cavalo branco,    que não há outro igual.
  10   --Não quero o teu cavalo,    que te custou a ensinar.
     --Darei-te a nau Catrineta    para nela navegar.
  12   Que queres tu, meu gajeiro,    que alvíssaras te hei-de dar?
     --Capitão, a tua alma,    para comigo a levar.
  14   --A minha alma dou-a a Deus    e o corpo dou-o ao mar.
     Caiu-lhe um anjo nos braços,    não o deixou afogar.
  16   Deu um estouro o demónio,    que acalmaram ventos no mar
     e a nau Catrineta ficou    no meio a varar.
  18   --Sobe, sobe, marujinho,    àquele mastro real,
     vê se vês terras de Espanha,    ou praias de Portugal.
  20   --Não vejo terras de Espanha,    nem praias de Portugal;
     vejo setes espadas nuas    que estavam p`ra te matar.--
     [. . . . . . . . . . . . . . . . . . .]    [. . . . . . . . . . . . . . . . . . .]

Go Back
0457:34 Nao Catarineta (á)            (ficha nº: 7796)

Versión de Rebordainhos (c. Bragança, dist. Bragança, Trás-os-Montes, Portugal).   Documentada en o antes de 1960. Publicada en Leite de Vasconcellos 1958-1960, II. 171. Reeditada en RºPortTOM2000, vol. 4, nº 1653, pp. 372-373. © Fundação Calouste Gulbenkian.  050 hemist.  Música registrada.

     Sete anos e mais um dia    cobri as ondas do mar.
  2   Puseram sola a cozer,    não a podiam tragar.
     Entre eles deitaram sortes    qual haviam de matar;
  4   logo, por desgraça,    ao capitão general.
     --Sobe acima, meu piloto,    àquele mastro real,
  6   ver se avistas terras de Espanha    ou ilhas em Portugal.
     --Nem avisto terras de Espanha,    nem ilhas em Portugal,
  8   avisto espadas agudas    contra vós, meu general.
     --Sobe te acima, piloto,    a outro mastro real,
  10   ver se avistas terras de Espanha    ou ilhas de Portugal.
     --Nem vejo terras de Espanha,    nem ilhas em Portugal.
  12   --Sobe te acima, piloto,    a outro mastro real,
     ver se avistas terras em Espanha    ou ilhas em Portugal.
  14   --Avisto terras de Espanha    e ilhas em Portugal
     e avisto três meninas    debaixo dum laranjal.
  16   --Essas meninas, piloto,    todas três tas hei de dar;
     uma é para vestir te,    outra é para te calçar
  18   e a mais novinha delas    para com ela casar.
     --Eu não quero vossas filhas,    que lhe custaram a criar.
  20   --Darei te todo o dinheiro    que tu quiseres gastar
     e darei te o meu cavalo    p`r` à guerra ir batalhar.
  22   --Não lhe quero o seu cavalo,    custou lhe muito a criar,
     só que, em tu morrendo,    me deixes o mastro real.
  24   --O meu mastro real    eu não to posso deixar,
     que não governo nele,    que é do rei de Portugal.--

Go Back
Back to Query Form